Leis estranhas sobre SEXO!
1- No Líbano, os homens podem legalmente ter relações sexuais com animais, mas têm que ser fêmeas. Relações sexuais com machos são puníveis com a morte.(Sem comentários).
2- No Bahrain, um médico pode legalmente examinar a genitália feminina, mas ele é proibido de olhar diretamente para ela durante o exame. Ele pode apenas olhar através de um espelho. (Por a mão pode,olhar não!).

3- Os muçulmanos não podem olhar os genitais de um cadáver. Isto também se aplica aos funcionários da funerária… Os órgãos sexuais do defunto devem estar sempre cobertos por um tijolo ou por um pedaço de madeira. (Porra! um tijolo?).


4- A penalidade para a masturbação na Indonésia é a decapitação… (De qual cabeça???).

5- Há homens em Guam cujo emprego em tempo integral é viajar pelo país e deflorar virgens, que os pagam pelo privilégio de ter sexo pela primeira vez.

Razão: Pelas leis de Guam, é proibido que se casem virgens. Agora diz pra mim: existe emprego melhor no planeta?

 
6- Em Hong Kong, uma mulher traída pode legalmente matar seu marido adúltero, mas deve fazê-lo apenas com suas mãos. Em contrapartida,
a mulher adúltera pode ser morta de qualquer outra maneira pelo marido.(Mata com machadada!!!!!!!!) Não consigo esquecer de Guam…


7- A lei autoriza vendedoras a ficarem de topless em Liverpool,Inglaterra, mas somente em lojas de peixes tropicais. (É pro comprador mostrar a vara!!!!) Cara, será que tem que fazer prova para este emprego em Guam?

8- Em Cali, na Colômbia, uma mulher só pode ter relações com seu marido, quando na primeira vez que isso ocorrer, sua mãe estiver no quarto para testemunhar o ato. (Imagina transar com a sogra assistindo? Fala sério….Vai pra pqp!!!!!). Como faço pra mandar meu curriculum para Guam?

9- Em Santa Cruz, na Bolívia, é ilegal um homem ter relações com uma mulher e a filha dela ao mesmo tempo. (Ficar esperando a vez do lado da cama pode!). Aquele emprego em Guam ainda é remunerado, cara!!!

10- Em Maryland preservativos podem ser vendidos em máquinas somente em lugares onde são vendidas bebidas alcoólicas para consumo no local.(Tem que usar no balcão?)
POR FAVOR, SERÁ QUE ALGUÉM SABE ME DIZER ONDE FICA GUAM??!!!
Devaneios Secretos VI- Bons de cama?

Hoje à tarde estava conversando com um amigo sobre umas questões que nos diferenciam uns dos outros e chegamos à conclusão que muitos amigos que temos em comum não são de nada. Não simplesmente pelo fato de dizerem que fazem e acontecem, mas essas coisas, embora as pessoas digam que não dá para arriscar descobrir, quem conhece sabe como funciona.


Levamos a questão de vida ou morte a uma amiga nossa, a Tara, uma menina meio diferente das que conhecemos por sua mente meio masculinizada. Não estou dizendo que a garota é lésbica, até porque seria muito desperdício (desculpa por essa, mas não pude perder a oportunidade), mas ela passou a vida toda convivendo com meninos, fosse nas lutas que fazia ou na lan quando jogava C.S. conosco.
Enfim, Tara disse que o interessante é ser diferente, enquanto nós dissemos que não adiantava ser fortinho ou bonitinho, que se não tiver a pegada e o pulo do gato das preliminares, estão acabados. 



Parei para pensar nisso, avaliar se era realmente só isso ou se alguma coisa a mais fazia diferença na hora da cama. Isso sem falar na química, que é tudo e mais algo nessas horas. Acho que não tenho uma opinião formada sobre o assunto, apenas quis levantar a questão, pois alguns caras acham que é só chegar na mulher, levar para a cama, gozar e pronto. Tudo bem que nem todos os homens foram agraciados com o dom de ser bom de cama, pois isso é um dom, ou você é ou não.



Algumas amigas já reclamaram comigo sobre a ineficiência de alguns homens na cama, perguntando o que passa na cabeça deles e sinceramente tive que responder...NÃO FAÇO A MENOR IDÉIA!!! E não imagino não só pelo fato de eu não ser assim, mas como já disse aqui mais de uma vez, a graça do sexo para mim está em dar prazer a mulher que está comigo. Então deixo a pergunta no ar: o que faz alguém ser bom de cama?

Marcadores: 0 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
"Cem escovadas antes de ir para a cama" -
Estou sem tempo para postar, então, segue abaixo um trecho do livro "Cem escovadas antes de ir para a cama", o qual é bastante interessante e conta uma história que muito me apetece. Boa semana!


"Ouvi o interruptor de luz dar o seu clique e depois não consegui ver mais nada.
Percebi passos e sussurros, depois duas mãos abaixaram meu jeans, tiraram o suéter fechado e o sutiã. Fiquei de fio-dental, meias altas e salto agulha. Podia me ver vendada e nua, imaginava no meu rosto apenas os lábios que dentro em pouco iriam saborear alguma coisa deles.
De repente as mãos aumentaram, e agora eram quatro. Era fácil distinguir porque duas estavam em cima, apalpando meus seios e duas embaixo, roçando meu sexo através da calcinha e acariciando minha bunda. Não conseguia sentir o cheiro de álcool de Pino, talvez ele tivesse escovado os dentes no banheiro. Enquanto eu me imaginava cada vez mais dominada por aquelas mãos e começava a me excitar, senti, atrás, o contato de um objeto gelado, um copo. As mãos continuavam a me tocar, mas o copo esmagava a pele com mais força. Assustada, perguntei:


- Quem é, porra?


Uma risadinha no fundo e depois uma voz conhecida:
- O seu barman, tesouro. Não se preocupe, eu só estou trazendo um drinque para você.


Aproximou o copo da minha boca e engoli devagar um pouco de licor de uísque. Lambi os lábios e uma outra boca me beijou com paixão, enquanto as mãos continuavam a me acariciar e o barman me dava bebida. Um quarto homem estava me beijando.


- Que bunda gostosa você tem...- dizia uma voz desconhecida. – Macia, branquinha, dura. Posso dar uma mordida?
Sorri com o pedido engraçado e respondi:
- Faz e pronto, não pergunta. Só quero saber uma coisa: quantos vocês são?
-Fique tranqüila, amor – disse uma voz nas minhas costas. E senti uma língua lambendo as vértebras da minha espinha. Agora, a imagem que eu tinha de mim era a mais sedutora: vendada, seminua, cinco homens que me lambem, me acariciam, me mordem e excitam todo o meu corpo. Eu estava no centro das atenções e eles faziam comigo tudo o que era permitido na câmara dos desejos. Não se ouvia uma voz, só suspiros e carícias.


E quando um dedo enfiou-se devagar no meu Segredo, senti um repentino calor e compreendi que a razão estava me abandonando. Eu me rendia ao toque das mãos deles e sentia bem viva a curiosidade de saber quem eram, como eram. E se o prazer fosse fruto das ações de um homem feio e babão? Naquele momento, eu não importava. Agora me envergonho, diário, mas sei que se lamentar depois de ter feito as coisas não serve pra nada.


- Bom- disse finalmente Roberto – falta o último componente.
- O quê? – perguntei.
- Não se preocupe. Pode tirar a venda, agora a gente vai jogar outro jogo.


Hesitei um segundo antes de tirar a venda, mas depois puxei-a lentamente pela cabeça e vi que eu e Roberto estávamos sozinhos no quarto.


- Cadê os outros? – perguntei surpresa.
- Estão te esperando no outro quarto.
- Que se chama...? – perguntei divertida.
- Hum, sala da fumaça. Vamos apertar um baseado.


Eu queria, com todas as minhas forças, ir embora e deixá-los lá. Aquela pausa me esfriou e a realidade se apresentou em toda sua crueza. Mas eu não podia, agora tinha começado e tinha que ir até i fim a qualquer custo. E fazia isso por eles.
Deu pra entrever as silhuetas no quarto escuro, iluminado só por três velas apoiadas no chão. Do pouco que podia notar, a forma dos rapazes presentes não era feia e isso me consolou.


No quarto, havia uma mesa redonda com cadeiras ao redor. O anjo presunçoso se sentou.


- Você também fuma maconha? – perguntou Pino.
- Não, obrigada, eu nunca fumo.
- Essa não...a partir dessa noite você também fuma- disse o barman, que notei que tinha um belo físico torneado e alto, a pele escura e os cabelos crespos compridos até os ombros.
- Não, desculpe decepcionar você, mas quando eu digo não, é não. Eu nunca fumei, não vou fumar agora e não sei se algum dia fumarei. Acho inútil e , por isso mesmo, deixo pra vocês.
- Pelo menos, não vai nos privar de uma bela vista- disse Roberto batendo a mão na madeira da mesa. Senta aqui.
Eu sentei na mesa com as pernas abertas, os saltos das botas enfiados na madeira e o sexo aberto à visão de todos. Roberto aproximou a cadeira e a vela acesa do meu púbis para iluminá-lo. Apertava o baseado voltando os olhos primeiro para a erva cheirosa e depois para o meu Segredo. Seus olhos brilhavam.
- Comece a se tocar – ordenou ele. Enfiei bem devagarinho um dedo na minha fenda e ele desviou a atenção do fumo para se dedicar à visão do meu sexo.


Por trás, chegou alguém que me beijou os ombros, me tomou entre os braços e me encaixou em seu corpo, tentado entrar com sua haste dentro de mim. Eu estava inerte. O olhar baixo e apagado. Vazio, não quis olhar.


- Ei, não, não...a gente combinou antes...essa noite ela não vai ser penetrada por ninguém- disse Pino.


O barman foi até o outro quarto e pegou de volta a venda negra que antes cobria meus olhos. Vendaram-me de novo e uma mão me obrigou a ajoelhar.


- Agora, Melissa, a gente vai passar o baseado, ouvi a voz de Roberto, e cada vez que um de nós estiver com ele na mão, vai estalar os dedos e tocar sua cabeça, assim você vai entender que ele chegou. Vai se aproximar do escolhido e vai chupar até ele gozar. Cinco vezes, Melissa, cinco. De agora em diante, a gente não vai mais falar. Bom trabalho.
E no meu palato, cinco gostos diferentes se encontraram, cinco sabores de cinco homens. Cada sabor com sua história, em cada poção a minha vergonha. Durante aqueles momentos, tive a sensação e a ilusão de que o prazer não era só carnal, que era beleza, alegria, liberdade. E estando nua no meio deles senti que pertencia a um outro mundo, desconhecido. Mas quando saí por aquela porta, senti o coração despedaçado e uma vergonha indescritível.


Depois me abandonei em cima da cama e senti meu corpo se entorpecendo. Na escrivaninha do quarto estreito eu via o display do meu celular lampejando e sabia que estavam me ligando de casa, já eram duas e meia da manhã. Nesse meio tempo alguém entrou, estendeu-se em cima de mim e me comeu; um outro o seguiu e apontou o pênis para a minha boca. E quando um terminava, o outro descarregava em cima de mim o seu esbranquiçado. E os outros também. Suspiros, lamentos e grunhidos. E lágrimas silenciosas.
Voltei para casa cheia de esperma, com a maquiagem borrada...