Sorvete de palitinho

Desaconselhável para menores de 30 anos...

Coisas da Vida

Isso era verdade! Aliás, toda a história! O cara tinha o maior bafo. Coisa de filme! Halitose de primeiríssimo grau. Estilo “fumacê” ou mata pernilongo e coisa e tal. Já fazia algum tempo, resolvera seduzir a secretária de uma prima, que surpreendentemente não se fez de rogada. Hora marcada, local, passaria com sua moto de muitas cilindradas por volta das dez e meia; e toneladas de chicletes na boca. Tinha a manha, já vira de tudo pelas estradas... Era um colecionador!

Chegava à menina, toda, toda. Vestidinho justo, nádegas protuberantes e um olhar de mocinha com pinta de meretriz, acima da parte superior esquerda dos lábios. Lentes coloridas modernizavam um par de óculos de gatinho, estilo anos cinqüenta. Já endireitada, na garupa, num rompante, desce e mergulha portaria adentro; Gritava só um minutinho, retornando com uma sacolinha colorida de supermercado carregada.

Mal adentraram o motel, e ainda na garagem do apartamento, começaram o furduncio. O primeiro par de sapatos acabou no degrau que inaugurava a escadaria. O segundo, no passo seguinte... Depois meias, vestido, sutiã e calcinha com ponto de interrogação. E muitas dezenas de posições e toda forma conhecida de obscenidades, no melhor estilo “Wandolesco” do fogo e paixão. Desprezaram qualquer percalço. Uma maçaroca somente. De carne suada, e odores e manias estranhas. Por uma hora inteira, ininterruptamente, durante o especial de uma rádio AM, foram quase um só.

E no crucial momento do gozo denso, remexido feito manteiga derretida, em segundos de profusão infinita, estendia as mãos a guria, sustentando um vasilhame de plástico vermelho (?) Colhia sem aviso, da tromba lanhada, o líquido azeitado...
Tentara perguntar, saber, mas estava sem forças. O uivo silencioso do lobo vencido. Não entendia nada. E não queria! Apenas repousar os olhinhos de vencedor, que paulatinamente se fecharam depois de horas numa pocilga de classe... Enquanto a outra se dirigia à cozinha, com sorriso de canto banguela de canto de boca.

Passada a noite em sono profundo, sente a língua escorregar até a cintura, aos primeiros sinais de claridade. Em seguida, desperto o monstro, recomeça a farra do boi. O membro fálico, escovando as gengivas dela, mais parecia um bate estaca... Até que, numa pausa que mais parecia durar o intervalo de uma ópera, nua de todo, viria anunciar o desejo incontrolável, ordenhado, imperial.

Adorava carícias no pé da coluna vertebral, descendo até o orifício mais próximo. Posteriormente, uma suave penetração de rei. Como se pudesse sê-lo! Um cavalheiro? Subia pelas paredes e nem lavara a cara de remela e chicletes de hortelã. Seria diferente aquela? Se aturava aquele cheiro matinal de boca podre... Tudo podia.

Feito o trato, reiniciado o babado, na hora H do ato definitivamente em andamento. Voa a criatura e adentra ávida a geladeira largando pipocos de fezes pelo caminho. Quando retorna, um...
Picolé! É caríssimo amigo! Desejava apenas o gosto gelado da noite anterior, moldada com palito ao formato do sorvete. Enquanto subordinado, depurava suas curvas na contramão da anatomia. Até alcançar o fim do reto, de toda uma vida, vivida, a sós... Opa! Era o rádio...

Com a sede e a fissura da nossa brasileira tradição! Chupava ela a guloseima, feito grávida que assassina o desejo, ou dona insegura atrás de marido. Enquanto se fartava o mancebo, mordendo a nuca como cão que rói osso.
Valham-me todas as horas para entender o gosto alheio! Tenho até medo. Vai que essa mania pega? Porra no freezer, dá para entender! Palitinho?... (!); Prefiro nem pensar, a correr risco de elocubrar e achar qualquer possibilidade de identificação...



Recebi por e-mail do queridissimo Joao das Letras. Obrigada.
Beijoselambiidas, Flux*
Marcadores: 5 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
Ideias alheias
Gente, estou indo mimir, mas antes, deixo vocês com uma lista de blogs interessantissimos que achei por aí.

Beijoselambiidas, Flux*


http://duasbocas.wordpress.com

http://submissa.wordpress.com/

http://cremososefuriosos.blogspot.com/

http://www.toqueacampainha.blogspot.com/

http://eroticoenrustido.blogspot.com/

http://escrevendonapele.blogspot.com/

http://cslqseama.blogspot.com

http://fantasiaesegredo.blogspot.com

http://safadoquesou.wordpress.com/

http://nonossoquartocom.blogspot.com

http://desejosaliciantes.blogspot.com

http://pekadusmeus.blogspot.com

http://doisabores.blogspot.com

http://tracosdeumhomem.blogspot.com/

http://nodevilbetweenheavenandhell.blogspot.com/

http://desejos-intimoss.blogspot.com
Marcadores: 0 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
Como eu queria...

Hoje eu queria. Aliás, hoje eu precisava. Precisava encontrar um homem de verdade que me colocasse no colo e me fizesse dele. Um homem com h maiúsculo, que não foge da raia e sabe a hora certa de parar.que me servisse uma taça de vinho e conversasse sobre os mais variados assuntos. Ou até mesmo que não dissesse nada, mas que simplesmente estivesse ali.


Precisava, necessitava, desejava que um homem me deixasse tê-lo. Que me colocasse na cama e percorresse todo o meu corpo com beijos, mordidas e caricias. Que encontrasse no meu sexo a mais doce das frutas e nela se satisfizesse.


Que me deixasse fazer dele a minha fruta e deliciar-me em mordidas e lambidas bem dadas, envoltas em caricias e beijos profundos. Um homem que merecesse ser chupado da melhor forma que uma mulher pode fazer. Que merecesse gemidos ao pé do ouvido e gritos de sussurro. Que soubesse chamar de piranha com carinho, de vadia com respeito e de amor com safadeza.


Hoje eu queria trepar com amor. Queria chupar e ser chupada, gozar e fazer gozar. Queria derramar leite condensado em um corpo quente e tirá-lo com a boca, me concentrando nas áreas criticas e depois sentando devagar sobre ele. Sentando de costas, sentindo meus cabelos batendo nas minhas costas e suas mãos em minha cintura. Num ritmo calmo e suave, rebolar devagar, sentindo cada estocada com todas as partes do meu corpo, todos os meus sentidos, extravasando prazer por todos os meus poros e compartilhando isso com ele.

Fechando-me em meu mundo particular e com os olhos fechados, chegar no limite de prazer, olhando para trás e vendo aquele macho me pertencer. Por fim, deitar na cama e sentir que nada mais existe. Sentir-me completa, satisfeita e desejada.


Porém, nem sempre podemos ter tudo o que desejamos, né, Sexy?

Beijoselambiidas, Flux*

Marcadores: 2 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
É muita vontade...

Esperei dar 21:40 para tomar banho. Entrei no banho, lavei os cabelos, me ensaboei e sai. Estava super cheirosa, do jeito que você gosta. Desci na esperança de te ver. Eu sabia que você chegaria do trabalho.

Hoje eu queria te pegar de jeito, te mostrar do que eu sou capaz. Te puxar pela mão e te levar para a escada. Jogar você na parede e beija-lo com vontade. Abaixar devagar olhando nos seus olhos e abrir devagar a sua calça. Colocar toda a sua volúpia para fora e chupar você com tesão, passar a mão em suas coxas, até sentir sua essência quente em minha boca. Colocar meus seios em sua boca e ver sua cara de excitação quando você olha para eles.


Eu queria. Queria fazer tudo isso. Queria proporcionar a você o melhor blowjob que já recebeu na vida. Pronto, vai ser hoje. Pego o meu cachorro, chamo o elevador e desço com a idéia fixa de que hoje você seria meu. Abro a portaria... Dou de cara com a minha mãe. Minhas idéias e planos para você hoje foram por água abaixo. De longe eu via você chegar, desejando no meu intimo mais perverso, sentir vocaê na minha boca.

Marcadores: 2 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
Beijos*
Passando para mandar um beijo enorme para o Joao, que chegou de Amsterdã e trouxe fotos deliciosas para compartilhar comigo.

Ja visitou o E_levação? Não? Então vale o clique.

Beijoselambiidas, Flux*
Marcadores: 0 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
Recordar é viver - Parte 2

Ai gente, eu sei que ando sumida, mas ta complicado pro meu lado. Até doente, coisa que eu não fico nunca, eu estive. Ainda não estou 100%, mas estou melhorando aos poucos. Enfim, passei por aqui para contar a segunda parte da minha fugida com o Victor.


Victor levantou-se me convidando a tomar uma ducha para acalmar os ânimos. Aceitei de imediato, deslizando meu corpo até a ponta da cama e observando aquela bunda linda e durinha que caminhava à minha frente. Suas costas, assim como suas coxas eram desenhadas por algum tempo de malhação.



Ele entrou primeiro, temperando a água.

- Assim está bom para você? – perguntou enquanto abria um pouco a porta para que eu pusesse a mão.

- Espero que esteja – respondo enquanto entrei apressada no banho com ele.




Ficamos ali por algum tempo, ensaboando os corpos um do outro, trocando beijos e carícias. Lembro-me claramente do momento em que me ajoelhei a chupei seu pau com calma e carinho debaixo d’água. Ele estava extasiado. Saímos do banho e voltamos para o quarto. Enrolei-me na toalha e fui até a mesinha onde estavam meus celulares. Olhei a hora e sentei na beira da cama.

Victor veio do outro cômodo com um sorriso maroto e disse:

- Trouxe um fininho pra gente, vai querer?

- Pô, nem sei. Não é muito a minha praia não, mas já que to na chuva...


Ele sentou na cama e ligou a TV. Eu reclamei de imediato, dizendo que eu se ele colocasse no jornal nacional, eu iria embora. Rimos um da cara do outro e ele acabou por colocar em um filme pornô. Enquanto ele apertava, desbelotava e outros ‘avas’ mais, deitei minha cabeça sobre a perna dele e fiquei assistindo

dois homens fazendo miséria com uma menina magricela que mais interpretava do que sentia prazer.


Enquanto fumávamos, ele ficou enrolando meus cabelos molhados com as pontas dos dedos. Ficamos ali por algum tempo até que eu cansei daquela calma. Pedi para que apagasse o que ainda restava e desligasse a TV. Como um rapaz obediente, assim o fez.




Subi um pouco meu corpo e beijei sua boca com vontade, deixando claro que eu queria mais. Ele entendeu meu chamado e passou a mão pela minha cintura, puxando minha toalha e depois o meu corpo para perto do seu. Ficamos algum tempo nos beijando, até que desci minha boca até o seu peito, lambendo, acariciando e beijando até chegar ao meu paraíso particular. Passei a mão em sua coxa devagar, pegando sua pica devagar e lambendo a cabeça, seguindo o ritmo e colocando na boca. Num ritmo calmo de vai-e-vem, fiquei ali me deliciando por bastante tempo, até que ele chupou meus seios com vontade e subiu em mim, encaixando seu corpo no meu, enfiando seu dedo e sentindo meu sexo quente e ligeiramente úmido. Victor enfiou seu pau devagar, beijando minha boca e rebolando com vontade, colocando tudo até o fundo, me fazendo gemer, rebolar e suar. Eu gemia baixinho em seu ouvido, sentindo sua respiração ofegar enquanto arranhava de leve suas costas.

Cada vez com mais pressão e força, ele me enlouquecia, encontrando seu corpo com o meu e lambendo meus seios. Ele levantou uma das minhas pernas, dobrando-a e colocando meu joelho na altura de seu rosto, deixando-me bem aberta para que pudesse enfiar tudo até o fim. Era a melhor sensação do mundo naquele momento. Eu queria mais, não queria sair dali tão cedo e não queria parar.

Aquele homem forte, gostoso e cheio de vida, estava entregue ao seu prazer em meu corpo. Eu podia ver em seus olhos que naquele momento, seu desejo pertencia a mim e era ali que ele queria estar. Nossos corpos se fundiram com força e tesão suficientes para que ele fosse diminuindo o ritmo devagar, mas mantendo a pressão.

Aos poucos ele foi deixando a concentração de lado, sentindo o balanço do meu corpo junto ao seu e gozou com vontade, beijando minha boca e me abraçando.


Deitei de costas pra ele, que deitou ao meu lado, encostando seu corpo ao meu e acariciando meu corpo do pescoço até minha bunda. Sua mão fazia exatamente o contorno do meu corpo, subindo e descendo de acordo com minhas curvas e nos fazendo relaxar.





Relaxem vocês também, pois ainda falta a terceira, ultima e melhor parte.


Beijoselambiidas, Flux*

Marcadores: 1 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou? 
Superação

Pagando boquete repentinamente pra um amigo no banheiro do curso? Eu me supero a cada dia mais. hahaha

A quem é de direito:

Vizinho, no aguardo do seu telefonema.
Doug, quero que me coma de novo.

Beijoselambiidas, Flux*
Recordar é viver...

Finalmente, após dois meses e oito dias sem sexo, quebrei minha promessa. Já tinha até esquecido o quão ninfomaníaca eu conseguia ser.

O celular tocou e eu estava no banho, obrigando-me a sair para ver quem era. Já estava tudo combinado. Eu sairia do curso, ele me pegaria e sairíamos dali para um lugar mais tranqüilo. Assim foi feito.

Entrei no carro e logo reparei que ele usava um cavanhaque cerrado que o deixava com uma cara pra lá de safado (eu já comentei aqui que odeio pelos, mas neste caso, eu adorei). Fui recebida com um beijo na boca, sentindo aos poucos os pelos me arranharem. Ele beijou meu pescoço, deixando-me já em estado de alerta.



- Para onde você quer ir? – perguntou Victor.

- Qualquer lugar – respondi enquanto mandava mensagens pelo celular para encobrir meus rastros.

- Como assim, qualquer lugar? Escolhe aí, pô.

- Qualquer lugar é qualquer lugar. Hoje eu vou para onde você me levar.

- Então ta, vou te levar para um quarto de motel. – Victor disse enfatizando o ‘motel’ e soltando risinhos pelo canto da boca.

Sete minutos contados no relógio depois e estávamos no quarto. Começamos a nos beijar e logo suas mãos quentes estavam percorrendo minhas costas e meus seios. Ele me virou de costas, enquanto beijava meu pescoço e excitava meu sexo por fora da calça jeans. Pelo espelho eu via seu rosto, com os olhos fechados, viajando no embalo de nossos corpos.


Ele tirava a minha blusa enquanto eu rebolava junto ao seu corpo, sentindo aquele pau endurecer atrás de mim. Tirei sua blusa, minha calça e ele tirou sua bermuda( ainda bem, pois sou péssima nisso) e eu o fiz sentar na cama, enquanto trocávamos beijos fervorosos. Ajoelhei lentamente passando a mão em seu peito, descendo até sentir seu pau duro. Apreciando aquela vista maravilhosamente linda, fui pegando e lambendo a cabeça latejante daquele homem, sentindo seu sabor inundar minha boca e meus sentidos, fazendo-me delirar.


Alternando entre lambidas e chupadas, no ritmo que ele gosta, ora chupando suas bolas, ora lambendo de uma ponta à outra devagar e passando a cabeça nos meus dentes sem arranhar, sentia a respiração dele cada vez mais ofegante. Cada vez que o engolia e sentia encostar no inicio da minha garganta, seu pau endurecia ainda mais e eu conseguia sentir toda sua envergadura e pulsação.



Victor me puxou pela mão, fazendo-me deitar de pernas abertas e deitou-se sobre mim, beijando minha boca com vontade, lambendo meus seios, mordendo de leve o biquinho duro dele. Desceu seu corpo, agachando de frente pra mim, ficando ajoelhado aos meus pés, chupando minha buceta quente. Enquanto eu me contorcia na cama, ele passava a língua devagar. Colocando-me de quatro, continuava a me chupar e enfiar a língua macia em mim, lambendo meu cu e dando tapas com força em minha bunda.



Mais uma vez, puxou-me para perto de si e, enquanto eu empinava minha bunda, Victor enfiou de leve sua pica grossa em mim, puxando-me pelo ombro e me chamando de gostosa enquanto eu rebolava. Sentir seu corpo quente e sua pica gostosa entrando em mim era enlouquecedor. Seu ritmo era perfeito e as estocadas eram certeiras e com força na medida certa. Assim ficamos por alguém tempo, até virarmos e ele me deitar com cuidado, ficando de ladinho enquanto ele metia devagar e fundo, sentindo cada parte do meu corpo com suas mãos e respirando
em meu pescoço.



Eu vou te comer devagarinho - disse ele enquanto rebolava e metia.

Ele deitou-se sobre mim, abrindo bem as minhas pernas, metendo cada vez com mais força e literalmente, me enlouquecendo. A cada estocada que ele dava, sua respiração aumentava e um gemido entre dentes saia de sua boca, junto com um tapa em minha coxa ou bunda. Juro que naquele momento eu pensei: ‘dá na minha cara, cachorro!’, mas me segurei para não assustar o menino.


Ficamos naquele ritmo frenético por um tempo, alternando entre força, rapidez e pressão. Ele saiu de cima de mim, deitando na cama e eu, finalmente tomei minha posição (ai, que delicia). Chupei suas coxas grossas, chegando ao seu pau duro e colocando tudo na boca. Encostei na garganta até sentir o talo. Passava a língua devagar e chupava com vontade.


- Deixa eu montar em você?

- Puta-que-pariu, garota. Tu é muito gostosa. Já vi que vou ter que gozar pra te comer de novo, se não eu não agüento.


Montei devagar sobre ele, direcionando aquele pica para dentro de mim e rebolando com vontade. Assim eu fiquei por dois minutos. Rebolando com vontade, olhando nos olhos dele, acariciando meus seios e mordendo os lábios, até que ele gozou deliciosamente.


(Continua, e como continua... hahaha)


Beijoselmabiidas, Flux*


(Ah, para os que não lembram, esse é o Victor do conto Fuck Buddy, que ainda é uma delicia, mesmo após quase quatro anos.)
Marcadores: 2 Comentários | Links para esta postagem | edit post
O que você achou?