Ré confessa.


E se eu disser que nunca havia feito isso? Conhecer pessoas pela internet não é o meu forte, mas quando vi a foto dele pelo MSN, vi que as coisas poderiam ser diferentes.

Seu sorriso aberto era um convite para pensamentos instigantes. Seu jeito carinhoso de escrever, de me chamar de linda, aos poucos foram despertando uma curiosidade exorbitantemente crescente.

Ele trabalha perto da minha casa e mora perto do meu trabalho. Após duas semanas de conversas, apenas em ver sua janelinha do MSN subir eu já estremecia e já sentia meu sexo pulsar e os bicos de meus seios ficarem rijos. Até que um dia finalmente eu contei a ele minhas intenções e ele confirmou que as dele não eram tão diferentes.


Marcamos no trabalho dele. Me passou o endereço. Tomei um banho, passei hidratante nos seios e nas coxas, perfume e prendi o cabelo. Coloquei meu óculos, uma saia preta, justa, que deixa minhas curvas volumosas, blusa branca. Quem olhasse, diria que se tratava de uma executiva. Porém, ninguém sabia o que estava por baixo. Cinta-liga preta e meia calça 7/8. Calcinha de renda e sutiã. Pronta para matar. Peguei a bolsa e saí.

Ao chegar ao local, para não levantar suspeitas, identifiquei-me como secretária do advogado dele. Primeira parte: feito. Passei completamente despercebida, a não ser pelos olhares compridos dos homens do local. Minutos depois uma senhora me encaminhou a sala dele. Meu coração bateu forte. Pensar naquele ‘estranho’ que estava do outro lado da porta fez meu coração bater mais forte e meu sexo se encharcar.


A porta se abriu e ele estava deliciosamente sentado na cadeira preta. O notebook sobre um lado da mesa e uns papéis no meio. A senhora me anuncia e nos deixa a sós. Eu o olho nos olhos, vendo que ele me analisava. Dava pra ver que sua mente passeava pelo interior de minha saia. Eu me aproximei devagar, olhando nos olhos dele. Acácio. Esse era seu nome. Ele vestia uma blusa social azul e calça jeans. Eu imaginava como já devia estar seu pau dentro da calça. Acácio chega a cadeira um pouco para trás, observando meus movimentos.


- Boa tarde – eu disse – vim resolver alguns problemas. Me disseram que talvez você pudesse me ajudar.


E eu confesso que disse isso com toda maldade do mundo, enquanto empurrava meu corpo sobre a mesa, ficando de pernas abertas, em frente ele. Pus meus saltos em cima do apoio da cadeira. A visão parecia agradá-lo bastante. Suas mãos começaram a percorrer minhas coxas, arrepiando meus pelos. Suas mãos subiram até meus seios, apertando minha cintura e me puxando para perto. Ele me beijou com força, pressionando seu corpo contra o meu e enfiando sua mão dentro da minha calcinha. Quando seus olhos avistaram a cinta-liga por baixo saia, foi como se um outro homem surgisse. Ele desceu seu dedo até meu sexo, roçando devagar e gentilmente. Com uma vontade reprimida, ele arranca minha calcinha, enquanto eu apenas o observava saciar suas vontades, e me come ali, em cima da mesa. Enquanto eu gemia baixinho em seu ouvido, ele apertava minha bunda, segurando um seio e beijando minha boca.


Assim continuamos em um ritmo forte e compulsivo, até que ele me levanta e me coloca com uma perna apoiada na cadeira, me chupando por trás enquanto enfiava um dedo de levinho no meu cuzinho piscando. Ele pincela devagar e enfia com vontade, até o fim, me deixando louca e fazendo minhas pernas tremerem. Socando tudo, até o fundo, enquanto segura meus seios e morde minhas costas, eu gozo alucinadamente, e ele se delicia ao ver meu corpo se contorcer.


Pronto, agora era vez dele. Eu me viro e olho nos seus olhos, tocando uma punheta gostosa e colocando tudo na boca. Chupo a cabeça, lambendo com vontade e depois colocando uma bola na boca. Passo o piercing devagar na cabeça e sinto ele puxar minha cabeça pelos cabelos me fazendo engolir com vontade. E assim eu senti um gosto quente e familiar se espalhar pela minha boca, inundando meus sentidos e me fazendo relaxar. Ele me levantou. Eu me dirigi ao banheiro de sua sala, onde me limpei. Ao sair da sala, eu beijei sua boca de leve e saí, da mesma forma que entrei.


Da caixa de som, saia um som gigantesco que me fez acordar. Levanto a cabeça e percebo que são quase quatro da manha. Eu havia adormecido sobre o teclado e uma janela piscava incessantemente com um nome escrito: Acácio. Mal sabia ele que havia percorrido meus sonhos naquela noite. Levanto o rosto e dou um olá, desejando profundamente que meu sonho se realizasse.



Beijoselambiidas, Flux*


P.S.: 1 -Eu prometo que não ficarei tão ausente. Tentarei passar por aqui.

2 - Eu sei que você não me manipula. Mas quando o faz, eu adoro.


Marcadores: | edit post
O que você achou? 
2 Responses
  1. Aragorn Says:

    Cuzinho piscando querendo pau.
    Maravilha hein?
    Queria eu lamber, pincelar e deixar escorregar de levinho.


  2. Anônimo Says:

    Il semble que vous soyez un expert dans ce domaine, vos remarques sont tres interessantes, merci.

    - Daniel