Sexo e contratos


Quando eu quero as coisas, eu consigo as coisas. Eu queria sexo, eu tive sexo. Fora de cogitação correr atrás de homem e fazê-lo ficar se achando o fodão, quando na verdade, não são, mas com o Marcos é diferente. Não tem essa de ficar pensando antes, nem durante, muito menos depois. Somos amigos há muito e tínhamos um tesão reprimido – até o dia em que resolvemos solta-lo – e foi maravilhoso. Com isso ele acabou se tornando um amigo a quem corro quando tenho problemas (embora isso nunca aconteça) e alguém a quem procuro quando quero sexo. Eu vou a casa dele, faço o que quero e vou embora. Quando entro, ele me chama de nega, durante ele me chama do que eu quiser e depois é neguinha prá lá, pretinha prá cá e eu posso ir embora com a cabeça tranqüila sabendo que tudo vai continuar sendo normal, inclusive nosso respeito mutuo e amizade.

Essa semana foi tensa e eu estava estressadíssima. Tinha que ir ao shopping trocar um vestido que minha mãe e me deu e estava sem o mínimo saco para andar em shopping. Ele estava on no MSN. Antes de entrar no banho, enquanto escovava os dentes pelada passeando entre o meu quarto e o banheiro, abri a janela dele e perguntei:

- Tá ocupado?

- Não, nega, pode falar.

- Tá sozinho em casa?

- Vou estar daqui a pouco. Está tendo uma reunião aqui em casa, mas assim que acabar todos vão embora, mas por que? Aconteceu alguma coisa?

- Não, mas eu estou estressada e preciso de sexo.

- hahahahahhaa. Isso nunca falta aqui para você. Como você vai me querer hoje?

- Ah, não sei. Decido quando chegar aí...

Acabei indo ao shopping trocar o vestido. Estava no provador quando meu celular tocou e eu pude ver o nome dele no visor do aparelho. Segundo ele, a casa já estava vazia e eu poderia ir pra lá se ainda quisesse. Troquei o vestido rápido, peguei um taxi e fui. Quando cheguei na esquina, liguei para avisar que já estava ao lado e ele, como sempre, me esperava com o portão aberto, só de bermuda, com aquele corpo escultural à minha espera.

Voltamos a estaca do cabelo curto (não sei se já falei disso aqui, caso não, depois eu falo), coisa que o deixa louco – meu cabelo está cortado meio chanel, no ombro. Ele me encostou na parede, já levantando uma coxa minha e subindo meu vestido. Com a outra mão abriu um botão do mesmo e colocou um seio meu para fora. Caiu de boca, literalmente, arrancando um gemidinho baixo de mim. Nos encaminhamos para a sala, e lá ficamos, jogados pelo sofá. Enquanto eu me saciava chupando aquele pau lindo (pqp, o mais bonito que já vi na vida), ele acariciava meu seio e mexia no meu cabelo. Chega, te quero agora, me come. Foi assim que eu disse. Sem chorumelas, sem reclamações, sem meias-palavras. E da mesma forma, como uma ordem, ele acatou meu pedido, me deitando no sofá e vindo por cima de mim com cuidado, mas sem perder o jeito e a pressão, e estou fundo, estocou firme, sabendo exatamente como me tirar do sério. Depois me virou e me colocou de quatro, segurando minha cintura (me perco fácil) e me fazendo rebolar, enquanto entrava ora devagar, ora rápido, ora com força. Acabamos voltando a ficar como da primeira vez, ele por cima, eu deitada no sofá, na guarda (somos lutadores de submission, fazer o que? haha). E assim eu gozei, como tantas outras vezes ele jurara ter me feito gozar, mal sabendo que estava errado. Mas pela primeira vez eu gozei com ele, pois nunca conseguia me entregar por inteiro. Desta vez eu consegui, e logo depois que eu gozei, ele sussurrou no meu ouvido dizendo que eu gozava lindamente, que eu gozava muito e que ele ia gozar também. E gozou, respirou fundo, me beijou a boca, depois a testa e sorriu.

                                                                    ***

Na hora de ir embora, ele pegou minha bolsa no chão e meu celular que, não por obra de que mão, tinha ido parar do outro lado da sala. Levou-me até o portão, sorrindo, dizendo que eu não presto e que está sempre às ordens. Beijou-me o rosto e me abraçou forte, com o mesmo carinho de quando entrei, sem se preocupar com o que tinha acontecido, mas sabendo que a Tara que ele tinha visto lá dentro não fazia de mim mais ou menos nada. Assim é o nosso contrato e não sai caro para ninguém. Ele tem em mim a plena visão de amiga e mulher na horas vagas. Me dá o que eu preciso, quando preciso e não rola a preocupação de eu ligar para ele com medo de algum pensamento do tipo 'será que ela gosta de mim?' ou 'será que ela está pensando eu eu quero namorar com ela?'. Eu ligo para ele quando eu quiser, seja para resolver alguma coisa ou simplesmente para perguntar se está tudo bem, e ele sempre me trata da mesma forma, com todo carinho, atenção, respeito e na maioria das vezes com um pouco de segundas intenções (isso se não for sempre).  As pessoas precisam parar de tentar adivinhar o que se passa na cabeça das outras e viver suas próprias mentes, estabelecendo contratos e discriminando papéis. Se você quer sexo uma vez por mês, avise. Uma vez por semana, ligue, mas deixe pré estabelecido que é só sexo e que ela não vai perder a imagem da amiga encantadora que sempre teve com relação a ela, pois contrato lido e préciamente assinado, não sai mais caro para ninguém.


  =============================================================

E acabei ficando a pensar nisso tudo, não no Marcos, mas no desprendimento que alguns homens deveriam ter e não têm quando se trata de mulheres querendo sexo. Primeiro, somos tão seres humanos quanto vocês e nossas necessidades não se demonstram apenas quando estamos namorando ou casadas. Segundo, podemos, SIM, ser as damas da sociedade e as piranhas na cama sem que vocês fiquem com a pulgas atrás da orelha ou se sintam ofendidos. Vocês têm que parar com essa mania de que sexo é só com a mulher na rua. Que em casa só pode ser amor. E quem foi que disse? Quem foi que falou? Sexo é onde quiser, quando der vontade, da forma que quiser. E a mulher não vai ser menos mulher porque quis te dar de uma forma diferente ou foi ela quem tomou a iniciativa do sexo. No mundo de hoje, quem não faz, leva, e aos casados/noivos/com namorada, se ficar muito com a pulga atrás da orelha, vai acabar com chifre na cabeça.  E você, solteiro, se deixar a mulher que você pega ou sei lá o que na vontade, ela vai acabar deixando você na vontade, pois homem no mundo o que não falta e tem uma porção de rei procurando por reinado novo.

Fodam a vontade e deixem os problemas fora da cama, pois problema e sexo, só combina se o sexo for a solução.

Beijoselambiidas, Flux*

Um comentário:

Aragorn disse...

Opa...
porção de rei,não.
Rei ,só tem um!

O resto é um bando de vassalo que pensa que o pau é o maior orgão genital!

amadores

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.