Do sonho a realidade
Eu sei que sonhos não se realizam com tanta facilidade, mas de repente, ele estava ali. Aquele menino com jeito de homem e na flor de seus dezessete anos entrava em meu quarto. Não pude conter minha surpresa ao vê-lo, meu recente objeto de desejo, talvez por sua pureza.

Quando percebi minha respiração ja estava ofegante e ele caminhava em minha direção. Eu estava deitada na cama, olhando fundo nos olho dele e tentando entender o que se passava.  Numa fração de segundos ele leu meu pensamento e se pôs na ponta da minha cama, ajoelhando sobre o colchão e acariciando minhas pernas. Seu toque macio arrepiava minha pele, enquanto eu mordia o labio atônita com aquela presença forte. No segundo seguinte ele ja estava sobre mim, com seu corpo colado no meu, respirando fundo em meu pescoço.

- Fala que você não me quer. - ele sussurrava ao pé do meu ouvido, segurando meus cabelos e passando a mão na minha coxa que estava flexionada para cima, encaixando com o corpo dele.

Eu não conseguia me mover ou falar nada. A força de sua presença era muito grande, o som de sua voz preenchia minha mente e logo eu ja estava extasiada por tudo aquilo, com a leve pressão de seu corpo sobre o meu, pronta para recebê-lo. E com a maior facilidade do mundo ele o fez. Deslizou a mão pela parte interna da minha coxa, chegando ao meu sexo. Chegou minha calcinha para o lado. O toque suave da sua mão me arrancou um gemido contido. Abrindo sua bermuda e segurando um seio meu por baixo da camiseta preta com a qual eu dormia, ele forçou sua entrada em meu corpo, deslizando seu sexo delicadamente para dentro do meu. Não precisou mais do que três estocadas. Logo meu corpo explodia e eu parecia estar me desfazendo nos braços dele. Enquanto me penetrava, beijav meu rosto e minha boca, perguntando se eu estava gostando e se daquele jeito estava bom. Estav. Ô se estava! Estava perfeito e eu me sentia como nunca havia me sentido antes. Como se o corpo dele tivesse sido feito sob medida para o meu, como se nossos sexos já se reconhecessem e completassem.

Eu gozei mais uma vez interminavelmente, e quando eu ja estava voltando do meu mundo particular para a  realidade foi a vez dele. Seu liuido aquecia meu ventre, demonstrando todo o nosso desejo. Ele beijou minh boca mais uma vez e abriu a boca para dizer alguma coisa.

Coisa esta que eu nunca saberei o que era, pois nesse exato momento, o relógio despertou, um novo dia começara. Estava na hora de acordar e ir para a faculdade. Sentei na cama, encostando as pernas uma na outra, sentindo meu sexo umido, pronto para recebe-lo, ou como quem acabara de ser visitada por um estranho desejo na noite.
Marcadores: | edit post
O que você achou?