Desejo ardente
Eram 4:20 da manhã. Deitada na cama vendo um filme que mexe com a minha imaginação. Assim eu estava. De camisola e calcinha, com um cordãozinho de pérola delicado pendurado no pescoço e o cabelo preso em um rabo de cavalo. Inconscientemente ele veio à minha cabeça como um raio, com força, sem tempo para respirar. Foi automático. O bico do meu seio já estava endurecido e eu já sentia minhas pernas tremendo. 

Pensei em talvez fazer um esforço indo até a casa do nosso amigo para vê-lo, já que sabia que ele estaria lá... Ah, mas a minha vontade não esperaria tanto. Era urgente, era desesperadora, então, eu comecei a apertar o bico do seio devagar e acariciar meu sexo for fora da calcinha com listrinhas rosa e lilás. Bem moleca, mas com desejo de ninfeta, de puta. Eu ja estava lambendo meu peito e encaminhando meu dedo para dentro da minha bucetinha rosada e cheirosa, completamente melada só de pensar nele. Naquela voz grossa, naquela bunda enorrrme, no jeito de me abraçar, na boca macia quando me beija. Nos e-mails trocados, na ligação que ele fez, no chopp que me deve. Nos inúmeros banhos que tomamos juntos, nas risadas, nas confissões que trocamos, nas coisas que só ele sabe e ninguém mais. 

A lembrança do gosto dele veio à minha boca e eu imprimi um ritmo mais intenso. Enfiando o dedo com força e vontade, esfrego meu grelinho endurecido, sensível e mexendo o dedo dentro de mim me aproximo do esplendor. Neste momento eu paro, respiro fundo e coloco o dedo na boca, sentindo meu gosto, o gosto do meu prazer. Eu não poderia gozar sem ele. Não, esse prazer que está guardado é dele e apenas ele irá liberá-lo. Perdendo as forças enquanto chupo seu pau, me comendo de quatro como tanto gosta ou ficando surpreso e nervoso quando eu aponto sua pica dura no meu cuzinho. Assim ele é, envergonhado, forte, deliciosamente gostoso.

Mesmo sem gozar a vontade ainda se faz presente. Meu cuzinho pisca de desejo, de vontade de sentir uma pica grossa penetrando com força. Então eu molho um dedo na bucetinha melada e fico brincando na portinha do cuzinho devagar, enquanto penso nele, na ultima vez em que nos vimos, na minha boca envolvendo seu pau duro, suas lindas mãos fortes agarrando minha bunda no segundo andar da loja, nos olhares que trocamos, nos comentarios que faz e fica, safado que é, aguardando minha resposta. E eu respondo, sempre muito 'ofendida' dando continuidade a esse nosso jogo interno que quase ninguém percebe. Meu dedo entra devagar, abrindo espaço no meu cuzinho apertado, entrando e saindo devagarinho, enquanto eu passo um outro dedo na xotinha e enfio, preenchendo meu corpo. Imagino a pica dele na minha boca enquanto me toco, gemendo baixinho no travesseiro, mordendo a boca, amassando e puxando o lençol com a outra mão. O gozo quase vem novamente eu paro, guardando-me para ele. 

Ah, se ele simplesmente soubesse... Sem problemas, ele vai saber e meu fogo será completamente apagado. 

Agora, enquanto relembro e escrevo, às 5:30 ainda consigo me sentir ligeiramente úmida e com o bico do seio  duro roçando a camisola... Ah, que maldade.

Mais tarde passo aqui para contar do meu vizinho... aquele sfado gostoso que parece com o Grandão!
Marcadores: | edit post
O que você achou? 
4 Responses
  1. Caos Says:

    Ultimamete tem acotecido isso comigo também, pensando numa Amiga safada que estou conhecendo... somos amigos a muito tempo, mas o lado safado estou conhecendo agora... e confesso que antes de dormir me acabo pensando nela.

    beijão grande


  2. Tara Flux* Says:

    Ah, isso é um saco, né, Caos? Ficar na vontade... É um desejo ardente, incontrolável e direcionado.
    Espero que resolva logo o seu problema. Caso precise de alguma ajuda, é só falar. hehe
    Beeijos e lambiidas!


  3. LEO Says:

    Vim aqui te visitar de deixar milllsss
    BJSSS
    Boa semana!
    LEO
    Contra a homofobia: defenda a cidadania!


  4. Daniel Says:

    Que delícia vc se tocando... sorte do cara que tu tava pensando... rs