Faz tempo...

A festa era na casa da mãe da amiga. Longe, lá na Barra. E lá fui eu embalada pra presente. Vestido tomara que caia vermelho, aquele que me deixa com cara de dama do cabaré meio putinha, sapatilha e cabelos esvoaçantes.

Quando ele me viu do play chegando não acreditou. Ficou lá me olhando com aquela cara de besta e eu rindo da cara dele. Bebemos, conversamos, tomamos o rumo de casa. Eu da minha e ele da dele. Dentro do  ônibus um engraçadinho se meteu à besta comigo e ele riu da cara do homem, sabendo que quem fazia o serviço era ele. No meio do caminho resolvi acompanhá-lo até a casa dele, com a mente cheia de segundas intenções e o corpo já pegando fogo.

Entramos e fui ao banheiro. Voltei. Não deu tempo de respirar. Jogou-me no sofá e me colocou de quatro. Levantou meu vestido e abaixou minha calcinha, lambendo da bocetinha até o cuzinho. Quando viu que eu estava molhada enfiou um dedinho devagar e me fez gemer. Fomos pro quarto. Eu queria chão, queria espaço. E então ele me deitou no colchão e abriu o ziper do meu vestido e lambeu minhas costas, mordeu de leve, beijou meu pescoço e depois minha boca. Aí começava a brincadeira...

Abriu minhas pernas devagar e foi descendo, beijando minha cintura, lambendo minhas coxas até que chegou ao meu segredo. Assoprou, passou a linha de levinho, com força, enfiou um dedo enquanto chupava meu grelo com força, quase arrancando, me levando ao limite do prazer com a dor e eu adorava. Gemia, quase morrendo, quase explodindo, enquanto ele fazia seu milagre. E quando eu quase gozava ele se colocou dentro de mim e eu tremi. Tremi, gemi, gozei. Com força, com tesão, sentindo meu corpo formigar e o mel escorrer.

Dali pra frente eu gozei mais duas vezes. Uma enquanto chupava ele. Lambia da cabeça ao talo e engolia e ele pediu pra eu cavalgá-lo que ele queria gozar. E assim eu fiz. Montei sobre ele de costas e rebolei com vontade, com força, devagar, rápido, colocando a bunda o mais alto possivel enquanto ele enfiava um dedo no meu cuzinho. E logo depois eu gozei. Ele junto comigo. E enquanto deitados estavamos falando bobagens o sol despontava no céu, pois era sempre assim, da noite ao dia, gemendo, suando e morrendo de prazer.


Faz tempo, mas na memória fica pra sempre, até eu ter Alzheimer. Sempre, até clarear...

6 comentários:

Dannie disse...

Delícia de blog, delícia de leitura... Literatura erótica é para poucos q conseguem transmitir tanto tesão sem vulgaridade. Parabéns! Visitarei com frequência!
Bjks!

Tara Flux* disse...

Obrigada, Daninha!
Sinta-se a vontade pra chegar por aqui sem vergonha e sem problemas!
Beeeijos

T.A.D. disse...

E eu achando que seu blog era bom...

É não. É ótimo. Adorei... Do jeito que eu gosto.

Tara Flux* disse...

Ah, algumas pessoas reclamaram desse port. Disseram que era sem graça. COnfesso que nao consegui passar exatamente o que queria com ele, afinal, na realidade foi muito melhor, mas tá valendo.

Lindão, o blog é bom pq é inspirado em vocês, leitores e amigos deliciosos!

Beijoselambiidas!

Sorry i cant fly... disse...

E tem coisa melhor? Amanhecer o dia assim...
Bjlhões.

Tara Flux* disse...

Com certeza é a melhor forma de amanhecer o dia!
Beeijos

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.