Á beira do abismo...
Eu dormia um sono leve quando meu celular tocou. Pelo numero, vi que era ele, mas não falou nada. Eu só ouvia a respiração pesada e alguns sons ao fundo. Logo depois ele disse:

- Amor, estou batendo uma agora pra você, minha gostosa.

E rapidamente eu despertei. Ainda meio sonolenta, sem conseguir organizar no pensamento alguma coisa gostosa pra dizer, fiquei por um tempo ouvindo aqueles gemidos deliciosos e aquela respiração profunda. Em minha mente surgiam imagens de tudo de delicioso que fizemos em nossos ultimos encontros. Ele sobre mim, me beijando, respirando em meu ouvido, dizendo que me ama, fodendo com vontade ou eu sentando devagar sobre ele.


- Então, amor, imagina vai... minha lingua passeando seu pau, lambendo seu saco devagar, subindo e colocando a cabecinha na boca, depois chupando tudo... E sentando sobre você, esfregando seu corpo no meu, sentando do jeito que você gosta enquanto você chupa o biquinho do meu peito...

Ele respirava cada vez com mais vontade, gemendo e me deixando fora do normal. Eu já sentia os bicos dos seios duros e meu sexo molhado só com o tesão dele. Aquele incomodo no ventre de necessidade acumulada, aquela vontade gritando dentro do corpo.

- Pensa em você me fodendo gostoso como você gosta, com as pernas dobradas no seu peito, a boceta apertando essa pica gostosa, você me apertando toda, chupando meus seios, lambendo meu corpo... Ai amor, goza pra mim, vai...


Ele gozou. Com toda aquela vontade, todo aquele tesão, todo aquele gemido que eu amo. Como eu o queria dentro de mim naquele momento. Como eu precisava disso. Daquele corpo, daquele carinho, daquele tesão. Toda aquela intensidade de tudo o que fazemos de melhor juntos.

E assim eu fui acordada hoje. Com o tesão delicioso, mesmo a distância, daquele que melhor sabe me dar prazer. E depois que desliguei o telefone, fui tomar um banho, porque o mel já escorria pelas pernas e o gozo já gritava da beira do abismo o nome dele com força.

Beijoselambidas, Flux!


Marcadores: 1 Comentários | | edit post
O que você achou? 
A cópula



Depois de lhe beijar meticulosamente
o cu, que é uma pimenta, a boceta, que é um doce,
o moço exibe à moça a bagagem que trouxe:
culhões e membro, um membro enorme e turgescente.

Ela toma-o na boca e morde-o. Incontinenti,
Não pode ele conter-se, e, de um jacto, esporrou-se.
Não desarmou porém. Antes, mais rijo, alteou-se
E fodeu-a. Ela geme, ela peida, ela sente

Que vai morrer: - "Eu morro! Ai, não queres que eu morra?!"
Grita para o rapaz que aceso como um diabo,
arde em cio e tesão na amorosa gangorra

E titilando-a nos mamilos e no rabo
(que depois irá ter sua ração de porra),
lhe enfia cona adentro o mangalho até o cabo.

Manuel Bandeira
Marcadores: 1 Comentários | | edit post
O que você achou? 
Ilha do Prazer 1
Chegamos na ilha na quinta-feira a noite. Discutimos na barca, fizemos as pazes e logo já estávamos rindo um da cara do outro. Ele sabe como me ganhar. Mesmo depois da pior briga, ele veio com aquele jeitinho manso, cheio de carinho, pedindo desculpa e dizendo que me ama. Não há raiva que resista àqueles olhos pequenos, aquele sorriso, aquele abraço... Eu não resisto àquele homem.

Chegamos em casa e eu guardei as coisas e ficamos sentados na varanda conversando e ouvindo musica. Pausa para o banho e depois cama. Eu vestia uma blusa do Inter de Milão e uma cuequinha de menina cinza com vermelho. Deitamos agarradinho um no outro e logo ele veio se roçando, esfregando aquele pau já duro em mim, me beijando, agarrando e mesmo estando no fim dos piores dias do mês para uma mulher eu não resisti. Como nunca resisto. Foi tirando minha blusa, lambendo e chupando meus seios, apertando meu corpo daquele jeito que ele sabe me tirar do sério. 

Levantou-se para tirar a bermuda e eu aproveitei para deliciar-me com seu gosto. Aquele gosto que eu amo, aquela porrinha que tem o melhor gosto do mundo e escorre na língua atiçando todos os meus sentidos. Chupei devagar, com calma, saboreando cada pedaço do pau que sabe como me fazer gozar como ninguém. Tirou minha calcinha, colocou-me de quatro e foi forçando devagar na entradinha da minha boceta com carinho enquanto segurava minha cintura e quando eu falei: mete, vai!, atendeu meu pedido e rasgou meu interior com vontade. Rebolando como ninguém mais, minhas pernas tremeram e Itaparica se moveu um pouquinho pro Leste, devido aos tremores do meu orgasmo forte. Nem assim ele para. Não me dá tempo pra respirar, pra nada. Mete cada vez mais e mais fundo. 


Quando me recupero, sento-me sobre ele devagar, rebolando com calma. Ele não gosta, quer mais rápido. Não consegue ficar parado então me puxa pra cima e se move sob mim. Com força, rápido, me apertando, dizendo em meu ouvido as coisas deliciosas que ele sabe que amo ouvir. Desde a maior putaria do mundo até dizer baixinho que me ama. 

Mexe pra cá, rebola pra lá, ele quer fazer um papai e mamãe com as minhas pernas levantadas. Lá ia eu gozar de novo. Essa posição me dilacera, se deixar gozo de cinco em cinco minutos, orgasmos multiplos, um atrás do outro. Ele já sabia disso e nunca deixa passar em branco. Segurou minhas pernas em seu peito enquanto botava com vontade. Lambeu meus pés, chupou meus dedos e assim eu gozei de novo enquanto ele olhava em meus olhos. Porra! - eu gritei enquanto sentia a cama tremer junto comigo. Mas a noite ainda não havia acabado... assim, chupando meus pés e botando fundo com vontade ele gozou a primeira vez. Senti a porra escorrendo em minha fenda e isso só me deu mais tesão. 


Quem disse que ele precisa respirar? Virou-me de ladinho e abriu minhas pernas. Enfiou-se dentro de mim novamente, enfiando um dedinho em meu cu. Era fato que eu ia gozar de novo. É fato que esse homem me tira do sério. Fundo, devagar, rebolando (e como rebola, hein?) e me bota de quatro de novo, com o corpo abaixado, ele de joelhos na cama, meu corpo esticado no lençol. Eu gozo quando sinto a mão dele bater com força em minha bunda e ouço um "safada" ecoando pelo quarto, pela ilha, pelo mundo. Logo depois ele goza também. 

Fomos tomar banho. Não poderia prestar... Ele atrás de mim, eu espalmada no box sob a água e tudo aquilo dentro de mim. Eu não sou muito fã de sexo no chuveiro. Logo tirei ele de lá. Voltamos pro quarto ainda molhados e caimos na cama novamente. Eu, na verdade, caí de boca. De boca naquele saco lindo e gostoso que ele tem. Naquele corpo lindo e depilado que eu amo beijar, tocar, acariciar. Não existe nada melhor do que chupá-lo, passar a língua nele, vê-lo arranhar o que estiver mais próximo. Pouco tempo depois ele já dizia que me queria e eu não neguei o que é dele. Montou-se sobre mim e fodeu. Literalmente fodeu a mulher dele. A cachorra safada, cadela no cio. Deu-me tapas na cara enquanto me xingava, apertou minha bunda com vontade, disse que me amava e assim fomos da foda ao amor, enquanto o céu passava do azul escuro ao azul claro, os pássaros cantavam e nós celebrávamos juntos nosso amor, química e tesão. 


"Obrigada pela viagem linda, pelo amor de sonho e por todo prazer que você me proporciona. TE AMO!"

Marcadores: 0 Comentários | | edit post
O que você achou? 
Voltei!
Olá minhas delícias!

Eu sei, eu sei, estou sumida. Maaas, foi por uma boa causa... estive na Bahia vendo o meu amor e, consequentemente, dando loucamente. Foram 700 por minutos num ritmo delicioso de amor e sexo. Em uma só noite foram nove sem dormir e três sem tirar de dentro. Acho que nunca gozei tanto e nem fui tão bem fodida na vida. Aquele corpo, aquela boca, aquele pau... molho só de lembrar.

Conheci finalmente a tão famosa casa da Ilha e lá tive tantos orgasmos e fui tão feliz que o coração aperta só de lembrar.

Prometo que passo aqui pra contar um pouquinho de tudo pra vocês. Mas a greve acabou e eu estou LOKA com tanta coisa acumulada.

Ainda não matei meu desejo, não realizei todas as vontades e a cada dia elas só crescem, mas aos pouquinhos tudo se resolve!

Beijoselambidas, Flux!
1 Comentários | | edit post
O que você achou?