Deliciosamente proibido!

Era efetivamente o primeiro dia dele na minha casa. Havia chegado na noite anterior já tarde e depois de ficarmos saciando as curiosidades de minha mãe tomamos banho e fomos dormir. Infelizmente, não juntos. Acordei no dia seguinte com meu celular apitando e vibrando já pela terceira vez. Era ele sentindo a necessidade da minha presença logo de manhã. Uma das minhas maiores tristezas era não poder dormir e acordar com ele, virar logo cedo e ver aqueles olhos pequenos e lindos ao mesmo tempo em que sinto aquela pica gostosa toda se querendo pra mim. 

Saí do quarto de minha mãe e fui para o meu quarto, onde ele dormia. A casa estava uma bagunça por conta da obra mas larguei meus afazeres domésticos para ficar ao lado dele. Abriu logo aquele sorriso lindo
e enorme quando me viu. Um beijo tímido, bom dia. Deitei ao lado dele que me abraçou e colou o nariz em meu pescoço, como sempre. Era extremamente dificil tê-lo em minha cama, ao alcance de minhas mãos e ficar quieta. Puxei sua mão e coloquei por baixo de minha camisola segurando meu seio. O corpo respondeu enrijecendo o bico e ele apertou devagar. Roçou o pau na minha bunda, apertou todo meu corpo, mordeu meu pescoço. Como eu estava com saudade do meu homem.

Abaixei um pouco sua cueca e coloquei aquela pica baiana e gostosa pra fora. Aquela pica que me encanta pela beleza, pelo poder, pela força, pelo prazer. Abaixei e chupei um pouquinho. De leve, só pra sentir o gosto dele. Agoniado, me virou de lado e forçou-se para dentro de mim. Eu já estava molhada, mas acariciou meu sexo devagar enfiando um dedinho e me fazendo rebolar. Tirou o dedo de dentro e eu o chupei, sentindo meu gosto. Encaixei seu corpo no meu e começamos aquele vai-e-vem suave, devagar e sem fazer barulho, já que minha mãe estava acordada no primeiro andar da casa. Fizemos amor devagar, abraçados, nos amando e trocando carícias. Beijos, abraços, matando a saudade. 

E assim fomos surpreendidos. Santa escada de madeira da minha casa que anunciou a subida da minha mãe. Só deu tempo de tirar de dentro e virar de barriga pra cima fingindo que estávamos conversando. Claro que ela percebeu, pois não é boba. Falou o que queria e desceu. Meu coração estava na boca com medo dela me pedir pra levantar já que meu short estava pelo meio dos joelhos e meu sexo estava escorrendo de desejo. 

Parar? Que nada! Continuei de onde estávamos e rebolei com mais vontade sentindo a mão dele passear pelo meu corpo enquanto a outra segurava meu cabelo ou virava meu rosto para beijá-lo. Deliciosamente proibido, perfeitamente delicioso. Pouco tempo depois ele avisava que ia gozar. Parte de mim queria gritar NÃO! bem alto, mas tínhamos pressa e eu sabia a merda que ia dar se minha mãe nos pegasse no flagra novamente. 

E ele gozou. Senti a porra quente jorrar dentro de mim e escorrer pelo meu sexo. Ele beijava meus ombros, meus braços e eu desejava bom dia. Falou sobre a saudade, disse que me amava. Eu respondi. Estámos juntos novamente e um novo, lindo e bom dia começava. E que bom dia! 

Beijoselambiidas, Flux!

*Roubei a primeira foto da nega linda no Desejos Insanos 

Nenhum comentário:

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.