O sexo bom

Chega um momento em toda relação que o sexo deixa a desejar. Seja pela vida corrida e falta de tempo, seja pela falta de diversidade na vida sexual, seja por problemas de uma forma geral que podem ser dentro ou fora do relacionamento ou, nos casos mais graves, por falta de tesão no parceiro mesmo pelos mais variados motivos. 

Realmente, a vida é corrida, o trabalho, família, estudo, pra quem tem filhos, então, nem se fala! No inicio do relacionamento tudo são flores, os amantes ficam como dois coelhos trepando até não poder mais. Não interessa a hora, o lugar, se alguém está vendo. É quase como se o ar entrasse pelos pulmões de um e passasse para os pulmões do outro. Como se essa fosse a unica forma viável de respirar. Maas, como nem tudo que é bom dura pra sempre, uma hora isso diminui ou simplesmente cessa. E aí, o que fazer? Entrar em pânico é a pior das ações. É preciso conversar, demostrar sua insatisfação ao parceiro e quais são as suas vontades. Nesse quesito já rola um problema de cara. Os homens acham que mulher gosta de conversar demais. Mulheres acham que homens conversam de menos. Aí nesse meio de campo já surge mais um problema que é a comunicação e assim as coisas desandam mais ainda. 


Geralmente, quem reclama mais do sexo são os homens. Aliás, as mulheres reclamam muito também, mas reclamam pras amigas, pro psicólogo, pra manicure, cachorro, papagaio, periquito e menos pro mais interessado nisso tudo, que é quem participa do ato com ela. Os homens, em geral, reclamam da quantidade. E quando não reclamam, rola aquela pulada de cerca que todo mundo sabe como é. Dizem que gostariam que suas parceiras estivessem mais solícitas a praticar o delicioso esporte sexual com mais frequência (além da questão da liberdade na cama, do pudor excessivo e do sexo anal). As mulheres reclamam da qualidade. Os parceiros são muito rápidos nas preliminares, deixam a desejar no sexo oral, saem metendo buraco adentro como se o mundo estivesse acabando. As reclamações não param por aí e eu poderia ficar aqui falando até amanhã sobre tudo o que eu já ouvi sair da boca de uma mulher mal comida. Mas não é esse o ponto, então voltemos... 

Tá. Mais aí você conversa, explica, dá opinião, fala tudo tim-tim por tim-tim. Pronto, meio caminho andado. Pelo menos a comunicação tá ok! Mas, com não existe teoria sem prática, tudo se perde no discurso e quando chega na hora da ação nada muda. E tudo permanece na mesma. Ou melhora por um tempo e depois volta a ser aquela coisa meia-boca, meia-boceta, meio-piru. Pra resolver isso, coloquei uma listinha de coisas abaixo pra tentar resolver esse problema que todo mundo já passou um dia. 

1 -  CONVERSE: Como eu já disse antes, uma das bases de um bom relacionamento é a conversa. A habilidade de trocar opiniões, elogios, insatisfações e assim chegarem a um denominador comum positivo para ambos. Gostou, não gostou? Quer, não quer? Abra a boca e fale! Ninguém traz letreiro e ficar tendo que adivinhar as coisas, principalmente no sexo é exaustivo, perda de tempo e frustração na certa! Demonstre sua vontade, seu tesão pelo outro, as coisas que não gosta. Ninguém perde em saber mais sobre a pessoa que divide a cama com você!  

2 - AUTO-CRITICA: Depois da conversa com seu parceiro (a), faça uma auto-crítica sobre os pontos apresentados por ele e veja no que tem deixado a desejar, pode melhorar ou no que não quer alterar. Não é pra se martirizar achando que é a pior pessoa do mundo e querer cortar os pulsos. É pra ser honesto consigo mesmo avaliando se a sua vida sexual está satisfatória e no que pode melhorar. 


3 - CRIATIVIDADE: Por mais que você ame comer lasanha na vida, comer lasanha todo dia enjoa. Assim pode ser com um pau ou uma boceta. Principalmente quando cai na rotina, o sexo passa a ser só antes de dormir, naquela mesma posição e quando você vê já está pensando nas coisas a fazer no dia seguinte ou na gostosa que você encontrou outro dia na praça só pra gozar. Há de se misturar a lasanha com outros ingredientes. Vai numa sex-shop, planeja uma noite especial, dança pra ele ou pra ela, cozinhe, bata uma punheta ou siririca com ele/ela olhando, grita na rua dizendo que ama, trepe em lugares diferentes, planeje uma noite ou um fim de semana exclusivamente a dois, vá ao motel e prepare algo diferente do usual, amarre, brinque, seduza, lamba, explore partes do corpo que você nunca pensou em tocar, gema, grite, liberte-se. Tenha criatividade e iniciativa pra sentir e dar prazer. São mil e uma opções de coisas pra fazer que podem tornar sua vida mais divertida e satisfatória sexualmente. 

4 - DÊ PRAZER: Tem homem que acha que dar uma chupadinha e meter depois é dar prazer. A mulher vai gozar? Sim. Quer dizer, pode ser que sim,pode ser que não. Mas dar prazer vai além dos órgãos genitais, minha pípoul! É o prazer de tocar, de apertar, de explorar, de conhecer e analisar as reações do outro. É mostrar que seu interesse não está só que ela ou ele tem no meio das pernas e sim no todo, no conjunto, no material todo que você tem nas mãos. Um buraco e uma haste todo mundo consegue. Seja via boneca inflável, profissionais do sexo ou um vibrador. O que muda é a pele, o toque, o desejo, a enfase em dar prazer que a pessoa demonstra e desperta desejo no outro. Seja escravo do prazer do outro e deixe que ele/ela se torne do seu!!!

 5 - JOGUE: E não necessariamente precisa ser algo sexual. Ou pode ser também e o combo está formado. Você pode jogar em troca de uma recompensa, pode jogar com as vontades do outro, propor apostas, ser outra pessoa por uma noite, fantasiar um milhão de possibilidades. O que importa é a pré-disposição a sentir e fazer sentir. Tudo se torna novidade e a vontade vai reacendendo, vai crescendo e você vai conhecendo lados seus e do parceira (a) que nem sempre estiveram tão à mostra assim. 

6 - OUSE E PERMITA: Permita ao outro liberar suas vontades, desejos, pedidos. Mas, principalmente,
permita a si mesmo também. Não adianta o outro estar todo envolvido na brincadeira e você parecer que está cumprindo protocolo. Cama, além de prazerosa, deve ser divertida. Ria, sorria, elogie, brinque, dê nomes, apelidos e xingamentos para aqueles momentos onde você sabe que vai ser diferente e agradável. Sabe aquele desejo escondido que fica lá no fundinho e ninguém sabe? Então! Conte a ele/ela e coloquem em prática. Por mais esdruxulo que seja, se existe respeito na relação, a pessoa vai receber seu pedido com carinho e, por mais que não esteja disposta a realiza-lo, poderá avaliar a possibilidade ou sugerir outras. 

Eu poderia ficar até aqui falando um milhão de coisas que tornariam a sua vida sexual mais agradável, mas se você não tivesse uma coisa simples, nada adiantaria: VONTADE. Do pensamento pra ação existe um longo caminho que só é percorrido se a vontade for presente e mútua. Ninguém obriga ninguém a fazer nada e não existe nada mais entediante do que sexo por protocolo e obrigação. É preciso que seja a sua vontade dar uma repaginada tanto no sexo como em si proprio se conhecendo, avaliando, querendo melhorar e sentir mais prazer e tornar a relação menos rotineira, entediante ou até mesmo chata. 

A responsabilidade é dos dois, mas alguém deve dar o primeiro passo. Se ele ou ela já deu, sinal verde, siga em frente! E se alguém deu é porque se importa o suficiente pra querer melhorar o que está sendo feito e não deixar piorar porque desde que o mundo é mundo é sempre mais fácil invejar a grama do vizinho que cuidar da sua. Da mesma forma que você gosta de vê-la se derreter pra você, ela também gosta de ver que você é absurdamente louco por ela!  Então, tá ai! Tá esperando o que pra gozar e ser feliz? 

E se você tentar tudo isso e não der certo você tem duas opções. Se conforma e aceita as coisas do jeito que estão ou troca de parceiro! No ruim de tudo será novidade! 

Beijoselambiidas, Flux!



2 comentários:

Sex shop disse...

Muito interessante isso cara.

Tara F. disse...

Obrigada!!
Volte sempre!!

Beijoselambiidas, Flux!

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.