Paixão

Eu chego no quarto. Agarro a toalha e corro pro banheiro sem me dar ao trabalho de trancar a porta. Tiro a roupa com pressa e ao entrar no chuveiro e ligar a água noto a porta semi aberta. Noto ele parando para me observar de leve.  A água já está refrescando o meu corpo mas eu sinto tudo esquentando. Mais que uma curiosidade de ver o meu corpo despido. O desejo dele é palpável.

O ar do banheiro fica quase pesado com uma tensão sexual. Até as gotas de umidade na parede do box me perturbam. Eu começo a passar as mãos pelo corpo, seduzindo, desejando. Tento me livrar do suor do dia e sinto um novo tipo de suor. A tensão me faz passar a mão pela cintura. Pelos seios. Apertando eles quase os escondendo mas deixando o mamilo deslizar pelos dedos e sentindo o toque suave das minhas próprias mãos. 


Ele ainda observa. Eu pego o sabonete. Começo a passar pelas suas pernas. Acaba empinando a bunda na direção da porta, encostando de leve no vidro transparente. Ao levantar, reparo a porta mais aberta.  De relance, ele parece nu. Eu tento ignorar, mas uma mão dele já percorre suas partes. Uma pequena vergonha subita e eu tento me esconder enquanto passo o sabonete nos seios. Meus mamilos estão duros e eu escuto alguém entrando no banho logo atrás de mim. A mão firme dele passa por cima de mim. Quase que num abraço ele segura o sabonete na minha mão.

Eu posso sentir o membro ereto dele encostando de leve em mim. 
"Deixa que eu faço isso". Ele tira o sabonete da minha mão e começa a lavar minhas costas bem de leve. Passa pela minha bunda. Pela minha cintura. Chega aos meus seios e eu sinto a pressão me puxando para junto dele. Nesse momento a boca dele encontra o lóbulo da minha orelha e arrepios percorrem meu corpo.




 Eu viro a cabeça e ele me beija com uma paixão que faz você estremecer um pouco. Essa é uma pessoa que me deseja com todas as forças e eu sente isso nos movimentos da língua. Não é sobre sexo, sobre aliviar a vontade. É sobre paixão. Sobre um objeto de desejo único. O sabor mais doce, o cheiro mais agradável, o toque mais macio, a paixão mais avassaladora. Aquela que permeia a nossa mente e deixa a visão turva, um sorriso besta no rosto e o pensamento avoado. É sobre olhar pra alguém e ver tudo o que já se desejou nessa pessoa, querer os bons e os ruins, os risos e as lágrimas e estar disposto a tudo para satisfazê-la e ver como ela satisfaz a si. É sobre paixão. Sobre aquilo que já existiu e nem sempre tem sentido, mas às nossas entranhas faz muito sentido. 




O sabonete cai. Ele acaricia meus seios.
Eu interrompo brevemente o beijo e olho fundo em seus olhos. O tesão forte que emana dele me devora viva. Eu lembro que o sabonete caiu. Ele fala "pega pra mim". Eu me abaixo com a bunda empinada raspando na coxa dele. Logo eu sinto dois dedos me acariciando por dentro. Solto um gemido um pouco sem controle e me levanto. Ele fala "acho que já podemos sair do banho".



Desligando a água e me puxando pra fora do box. "Poxa.. Só isso? " eu penso... mas antes que eu possa terminar de formular o pensamento, ele me puxa pra cima da pia e ergue minhas pernas.

 Eu mal tenho tempo para entender o que acontece. A boca dele na minha. O pau dele entra em mim. Meu gemido só não assusta os vizinhos por ter sido contido pela mão dele.
 Ele mostra um vigor que eu não via tinha algum tempo. Uma vontade feroz de me ter. Uma vontade que cresceu enquanto ele observava cada gota que escorria em minha pele. Parecia que era tudo a primeira vez. Parecia que ainda havia tudo aquilo que havia se perdido. 


 Ele larga minha boca e eu falo gemendo "assim eu vou gozar!"
 Ele tira o pênis de dentro de mim. "Goza na minha boca". Ainda me segurando firme ele desce e começa a lamber minha boceta. Com uma das minhas pernas no ombro dele, eu sinto dois dedos me apertando por dentro. Um na frente, outro atrás. Eu gozo na boca dele. Quando ele me levanta eu posso ver o sorriso safado. "Agora é a minha vez" Ele me vira com a bunda pra ele. Mãos apoiadas na pia e começa a entrar em mim. Com força. Com uma vontade de gozar, de me atravessar, me possuir e ser parte de mim me tornando parte dele. 

Eu sinto as mãos dele na minha nuca. Em minhas costas. Em minha bunda  Ele fala "vou gozar no seu cuzinho".



Eu já estou quase lá de novo e quase berro "Goza onde você quiser! Goza pra mim!". Eu sinto as mãos dele me apertando. Um gemido vindo da sua boca. A cabeça do pênis em minha bunda e gozando em mim.
Eu sinto o pênis dele saindo. Me levanto e viro pra trás. Eu vejo no rosto dele uma expressão de ferocidade,  felicidade e entrega. A entrega do que foi compartilhado. A entrega de dividir algo realmente com alguém e não só por si. 
Ele me abraça pela cabeça. Segurando meu cabelo. Beija suavemente minha boca, minha testa e encosta na minha orelha e fala "agora vem ser minha na cama".

Não era sobre sexo. Era sobre paixão. Era sobre algo que ela ansiava, precisava, sonhava e não tinha mais.