Profundo e perfeito


Sentada na rodoviária aguardando o embarque para o local onde, por agora, é minha casa. Os momentos da noite passada surgem em flashes como raios no céu. Como se um buraco estivesse se abrindo no chão e coisas diferentes estivessem surgindo de lá.



Eu nunca pensei que pudesse existir tamanha profundidade nas coisas ditas e ouvidas. Eu nunca pensei que alguma vez na vida eu fosse me sentir verdadeiramente venerada por alguém.


Foi exatamente assim que eu me senti: venerada. Palavras proferidas no escuro de uma suíte. Um sorriso perdido ao ouvir essa ou aquela trilha sonora. Trilha sonora esta, escolhida a dedo, digna de um Rei. Sim, Rei que fez de mim por uma noite mais do que sua escudeira; sua Rainha.



Tudo já estava combinado desde um pouco mais cedo e ao nos encontrarmos eu pude ler nos olhos dele ‘você realmente veio’. E assim tudo começou. Ele me elogiou dizendo que estava bonita, bem arrumada. Entramos no táxi, o motorista errou o caminho, mais alguns minutos estávamos lá. Naquele exato lugar onde havíamos nos entregue um ao outro pela primeira vez.



Todo o meu esforço em acatar os desejos dele de uma lingerie bonita foi por água abaixo quando, logo que entramos e eu depositei minha bolsa, fui agarrada e beijada, sendo jogada na cama. Não durou dois segundos no meu corpo. Eu já havia tirado a blusa e facilitado um pouco as coisas, quando ele me jogou delicadamente sobre a cama, lambendo o bico dos meus seios e já me fazendo respirar fundo.



Dali pra frente foi uma coisa mais especial do que a outra. Ele tirando minha calcinha, beijando minhas pernas, segurando meus cabelos, a forma como ele me olha, me toca e deixa claro que me deseja. Foi em um momento único que minha urgência de senti-lo dentro de mim surgiu e quando vi já estava deitada com as pernas completamente abertas e ele sobre mim, pressionando seu corpo contra o meu. E assim ele arrancou o primeiro suspiro da noite. Penetrando fundo no meu ego, derrubando minhas barreiras, envolvendo minha alma. Ao som de uma musica especialmente escolhida para ele, nossa terapia começava já a temperaturas altíssimas. No meio de tudo eu o abraço e sussurro em seu ouvido pedindo que fizesse amor comigo e como sempre, ele cumpre. Enquanto nossos corpos se completavam, eu sussurrava a letra da musica para ele, que sorria alma adentro. Levantando minhas pernas, ele conhecia a parte mais profunda de mim e beijou meus pés (eca!) fazendo com que eu me sentisse venerada por mais uma vez. Mudei o ritmo, pedi para que me comesse com força e vontade, mais uma vez ele o fez. O prazer chega farto em minha boca e eu não desperdiço. Tempo para abraços. Ele beija meus olhos fechados. Banho.



Rimos, brincamos, fizemos bico. Logo a necessidade se fez presente novamente e ele me dirigiu à sauna, segurando meu braço com urgência. ‘Eu vou te comer aqui’ e logo eu estava de quatro para ele, que metia fundo, mais uma vez. Voltamos para a cama e mais uma vez nossos corpos estavam colados, quando eu sentei sobre ele devagar e comprimindo meu sexo arranquei um gemido e um ‘filha-da-puta’ em alto e bom tom. Eu rebolava com cada vez mais vontade, sentindo o corpo dele dentro do meu quando eu abaixei perto de seu ouvido e sussurrei duas palavras. Duas palavras que ele ouviu perfeitamente da primeira vez em que eu falei, mas precisava ouvir de novo. Precisava confirmar se mais uma barreira havia sido rompida.



Após ele quase implorar eu repeti, e num súbito acesso de necessidade ele me puxou para perto de si e me beijou com vontade. Pedi que me chupasse. Ordenei que me chupasse, que colocasse sua língua em mim devagar, arrancando meus gemidos e me fazendo agarrar o lençóis. E logo foi a hora de dar-lhe um presente. A ânsia tomava conta do meu corpo, num misto de desespero e despudor, vontade de sentir e de sair correndo, quando minhas pernas começaram a tremer e eu sabia já ser tarde demias. Gozei com uma intensidade absurda, respirando fundo e olhando para ele, enquanto segurava os cabelos. Mandei-me para o meu mundo particular, sorrindo fervorosamente, agradecida por todo o prazer que ele me dá.


Conversamos por alguns momentos, trocamos segredos, medos e verdades. Espaço para mais um banho e uma chupada (que já foi melhor) no box. Eu coloco seu saco na boca e ele devagar perde as forças, segurando meus cabelos e me virando de costas. Apertou minha bunda, roçou meu sexo e já já voltávamos para a cama. Comeu-me de forma esplendorosa com as pernas para o alto, de lado, de bruços e me deixou querendo mais. A banheira enchia, o celular tocava e nós dois nem aí pro mundo. Debaixo do lençol fino ele me abraçava para afugentar o frio e seu corpo já dava sinais de que necessitava de mim novamente. Judiei dele dizendo que só me tomaria quando a banheira estivesse cheia, e assim fizemos. A água quente aumentava nosso calor, e eu me pus sobre ele, de frente, pernas abertas apoiadas na beira da banheira e ele tendo a visão mais despudorada de mim. Ofereci-lhe meus seios e minha boca e depois voltamos para a cama. Mais uma vez, ele me amava na cama de forma carinhosa e urgente. Eu queria intensamente sentir o resultado de seu prazer dentro de mim, aquecendo meu ventre, acalmando minha pele, mas ele gozou deliciosamente em meu ventre, espalhando-se um pouco para minha cintura e minha coxa. Mais um banho.



Cuidei de meu Rei ensaboando-lhe o corpo e beijando suas costas. Massageei seus ombros e beijei sua boca. Logo tudo estava acabado, guardado na memória e no ensejo de uma repetição.



Já na loja de conveniência do posto de gasolina tomávamos café da manhã. Ele me dizia que eu estava linda, eu o dizia que era o melhor homem com quem eu já havia me deitado. Um idiota tentou uma graça e eu senti uma enorme vontade de olhar para ele e dizer: ei, você não está vendo que eu estou acompanhada? Que meu Rei me acompanha?, mas o Rei não viu, então, fiquei quieta. Ficarão guardadas na minha mente as palavras ‘você de roupão e toalha na cabeça com esses olhos puxados estilo japonesa é imbatível’. A noite ficará em minha memória, em meu coração. Já na porta do meu prédio nos despedimos. Beijo na boca, olhares já saudosos e três cartas entram em minha bolsa. Eu estava simplesmente radiante.



*Obrigada pela noite maravilhosa. Obrigada por ser quem eu precisava, da forma que eu precisava, quando eu precisava. Desculpe por meus lapsos e por meu corpo cansado. Foi tudo extremamente especial e você me provou tudo o que havia me dito. Sua forma de me tocar, me olhar, me ter é perfeita em todos os sentidos e eu serei eternamente grata por tudo o que me fez sentir na cama e fora dela.

**Agora enquanto escrevo, ouço On bended knees, que ficou de fora da lista pois não estava no meu MP4, mas serve apenas para sinalizar que foi exatamente assim que você me teve: de joelhos, a seus pés.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.