Oferta

Ao homem que me toma por desejo carnal dou-lhe meu anjo maternal.
Ao alcance da boca, seios róseos e pequenos. O antídoto e o veneno!
Um ventre acordado e vulcano. Templo sagrado dos humanos.
Aos seus olhos de brio dou-lhe pouso em meu colo sombrio.
Música, poesia, ausência. Toda falta de decência.

Ao homem que me toma por desejo viril dou-lhe piedade e leito febril.
Beijos de língua, indecentes e úmidos.
Ruídos cósmicos de gozos oferecidos.
Um coração de extremos sentimentos. Ora tristeza, ora contentamento.
Dou-lhe paraíso e inferno. Dias de treva. Dias de amor eterno,
Onde os corpos se bastam e os espíritos nus se arrastam

Ao homem que me toma por desejo romântico dou-lhe vinho, torpor e bom cântico.
Lençóis brancos de lua inteira
Noites regateiras que erguem o seu pau de mistério,
(Avante! Penetre em meu doce império.)
Dou-lhe oceano de ânimo e ilusão, onde possa navegar suas mãos.
Mãos ávidas e desbravadoras, sobre minha pele desnuda e alma avassaladora.

Ao homem que me toma por um simples desejo.
Somente a ele dou-lhe o que vejo.
Uma singular sina do amor que se move e arrebata as forças, comove.
Deitam no peito as grandes virtudes.
Ternuras tecidas amiúde.
Dou-lhe também meus segredos, ainda que o faça ter medo.
Quem me dará uma alma sem pecados?
Quem me dará um corpo não profanado?

Poema roubado do Poesia entre amigos que pescou do Blog Faces do poeta

Nenhum comentário:

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.