A noite perfeita - parte 1

Diferente de sempre, ele não perguntou se eles se viriam, ou o que ela gostaria de fazer. Ligou e disse que ela estivesse pronta às oito que iria busca-la. Ela, obediente e adorando a iniciativa, não fez pergunta alguma. Escolheu uma lingerie bonita, um vestido, saltos e uma maquiagem leve, mas que realçava ainda mais seus olhos negros.

Às oito em ponto ele chegou. Abriu a porta do carro pra ela e dirigiram-se a um restaurante. Ela sentia um frio na barriga pelo inesperado, mas amava cada segundo daquilo. No restaurante, ele não perguntou o que ela gostaria. Sem olhar o cardápio, fez o seu pedido e o dela. Não, ele não perguntou o que ela queria comer ou beber. Fez o pedido e ela, compassiva, não reclamou. Pediu duas taças de vinho tinto. Tudo era novo, tudo era uma surpresa. A caminho de casa não conversaram. Apenas a mão dele sobre a coxa dela transferia as energias do que poderia ser dito, mas não foi. Ao chegarem, ele disse estar com vontade ir ao banheiro e pediu que ela trancasse o carro, que ele subiria na frente. E assim ela fez. 

Ao abrir a porta, a maior surpresa. Haviam velas brancas acesas espalhadas
pela casa e rosas pelo chão. Um vinho descansava no balde de gelo, um incenso doce perfumava o ar e uma música sensual tocava ao fundo. Exatamente como ela havia imaginado tantas vezes, mas longe de tudo que ela poderia esperar. Ele caminhou até ela com um sorriso safado no rosto e a levou até o banheiro. Lá, tirou seus pertences, sua roupa e a banhou como nunca havia banhado antes. Com calma e passando a esponja por todo o corpo dela, retirando a maquiagem, deixando-a pronta pro que viria depois. Secou o corpo dela e deixou sobre a pia um conjunto de lingerie branco que ele havia escolhido pessoalmente. Enquanto ela vestia e se olhava no espelho ansiosa, ele saiu e fechou a porta.   

Ao sair do banheiro, caminhou pela sala quando ele chegou de leve por trás, beijou seu pescoço e a vendou.
Caminhou com ela até a cama enorme e a deitou devagar enquanto beijava calmamente. Sem que ela oferecesse resistência, amarrou as mãos no pé da cama. E começou a tortura mais deliciosa que ela já havia experimentado. Derramou vinho na boca dela com a taça e com a sua propria boca, sem ligar para o lençol. Quando sentiu que o corpo dela já estava quente, passou a boca de leve pelas pernas com uma pedra de gelo subindo até o mamilo. Ela gemeu. As gotas do gelo derretendo escorriam e causavam uma sensação deliciosa. Arranhando a lateral do seu corpo de leve com a unha, tirava o gelo do mamilo e o levava até a calcinha. 
A boca quente no mamilo e o gelo chegando por cima da calcinha. Ela, quase indefesa, completamente entregue aos caprichos dele. O gelo escorrega pela virilha chegando perto do clitóris. A língua começa a circular a auréola só esbarrando no mamilo enquanto ela ainda vendada sente a pressão do gelo mais forte. O gelo massageia o clitóris por cima da calcinha, a boca aperta. Ela sente como se ele quase engolisse o seu seio enquanto o gelo desce pra entrada e a boca se mexe de um peito para o outro. Ela sente mordidas leves no caminho. E o gelo por cima da calcinha como que querendo entrar nela. 
Uma leve mordiscada no mamilo já arrepiado. Difícil dizer se o ritmo está prestes a ficar mais leve ou mais pesado. O inesperado é a melhor sensação. 



A pressão do gelo deixa a intenção um pouco mais clara enquanto uma mão a arranha na barriga. Ele deixa o gelo, que escorrega até a bunda volumosa. A mão que antes arranhava sobe pro pescoço junto com a boca dele. A boca dele na dela beijando firme. A mão aperta de leve o seu pescoço e aperta sem machucar. Ela é pega de surpresa quando um dedo dribla a sua calcinha e para na sua entrada. Ele quer saber o quão molhada ela está e a sente ficando molhada enquanto dá uma dentada leve no pescoço. 



E depois nada. Ele sai de cima dela por um breve segundo e então ela sente algo vibrando no seu mamilo. Algo que some e reaparece no seu clitoris. Um puxão forte e a calcinha rasga com a pressão. Ela nua e exposta, completamente à mercê dele, que está ali pro prazer dela. Ela sente algo encostando no clitoris começando a vibrar intensamente. O gemido sai sem controle. Ela sente o olhar sobre si com um invisível sorriso de satisfação. Sente a respiração dele no seu rosto e a voz falando "abre a boca pra mim". E ela abre, pois confia nele.  Sente então a mordaça, uma corda fina, sendo presa em sua boca. A língua passa incontrolável por ela. Enfim... Ela está lá. Amordaçada. Amarrada. Vendada de pernas abertas. E começa a sentir gotas de calor intenso na barriga. A principio um choque mas logo identifica a sensação da cera quente e o cheiro das velas. Cada gota mais próxima do seu seio. Elas vão subindo. Quase chegando na ponta do mamilo. O gemido e grito ficam presos na mordaça enquanto a saliva escorre pelo rosto e ele lambe do pescoço até a boca e a beija...

Nenhum comentário:

Imagens de tema por sebastian-julian. Tecnologia do Blogger.